Ao utilizar este website está a concondar com a nossa política de uso de cookies. Para mais informações consulte a nossa política de privacidade e uso de cookies, onde poderá desactivar os mesmos.

OK
pt
en fr it es de
Menu
Whatsapp

Nome comercial (Propecia 1mg)

Aprovado pelo FDA (Food and Drug Administration).

Inicialmente este medicamento era e continua a ser utilizado para o tratamento da hiperplasia prostática benigna (BPH) em concentrações de 5 mg sob o nome de proscar. No tratamento observou-se que um dos efeitos colaterais foi o aumento de pêlos e a diminuição da queda de cabelo, além de outros com menor efeito. Verificou-se que em concentrações de 1 mg, os mesmos efeitos benéficos foram obtidos.

Sabe-se que a alopécia androgenética é um processo de miniaturização e enfraquecimento progressivo de cabelo causada pela sensibilidade à acção da hormona DHT (di- hidrotestosterona) no folículo piloso. DHT é um subproduto da testosterona, que está presente em todos os seres humanos. Para se ter DHT no corpo, a testosterona deve ser convertida através de uma reação química, e essa transformação requer a ajuda da enzima 5-alfa redutase tipo II.

O uso de finasterida no tratamento da calvície androgênica vem do fato de que esta droga inibe seletivamente a enzima 5-alfa redutase tipo II, diminuindo a quantidade de DHT no organismo disponível. Com isso, é teoricamente possível interromper o processo de perda de cabelo e miniaturização. A inibição da enzima não ocorre em 100%, mas é possível estabilizar a calvície na maioria dos casos.

Em um estudo, verificou-se que este medicamento é eficaz em 83% dos pacientes, retardando o processo progressivo de calvície.

 

Efeitos secundários:

Os efeitos colaterais da droga ocorrem com maior frequência apenas durante o uso da medicação. Portanto, na retirada do tratamento por 6 meses ou mais, o cabelo cairá novamente. Se os pacientes experimentarem algum tipo de efeito colateral, provavelmente também desaparecerão quando pararem de tomar a medicação.

Os efeitos colaterais geralmente estão relacionados à libido sexual, como diminuição do desejo sexual, diminuição da contagem de espermatozóides ou baixo volume de sêmen ejaculado. Esses efeitos ocorrem em uma pequena porcentagem nos homens e suspeitam que exista um forte componente emocional envolvido, já que em estudos científicos, 1,8% dos homens que tomaram finasterida reclamaram de diminuição da libido, enquanto 1,3% dos que usaram o placebo reclamaram disso. De qualquer forma, a mudança na libido parece diminuir com a continuação do tratamento e desaparece completamente após a interrupção.

Normalmente, o paciente começa a notar os efeitos benéficos no cabelo após 4 a 6 meses de tratamento. Primeiro, ocorre uma perda de cabelo, depois há um aumento na densidade capilar. Com aproximadamente um ano de tratamento contínuo e diário, o paciente atinge a densidade capilar máxima e depois entra na fase de manutenção dos resultados.

Ressaltamos que a consulta médica é vital antes de iniciar o tratamento com finasterida. Somente o médico, através de um exame clínico detalhado e às vezes com a ajuda da análise, pode avaliar seu caso e determinar se a finasterida é uma opção para você.

Finasterida actua sobre a raiz do problema, uma vez que inibe a produção da enzima 5-alfa-reductase (tipo II) fazendo com que parte da testosterona em di-hidrotestosterona não pode ser transformado. Aproximadamente seis meses de tratamento são necessários para começar a ver os resultados.